Candidatos a prefeito, quem é o mais rico?

Portal Plural, em matéria assinada por Rodrigo Silva, conta que além do recorde de 15 nomes na disputa, as eleições 2020 para prefeito de Curitiba também contam com grande disparidade entre os patrimônios dos candidatos. Os valores declarados à Justiça Eleitoral vão de zero a R$ 13,1 milhões.

O candidato mais rico é o candidato João Guilherme (Novo), médico e empresário que vem dizendo que o trabalho de seu partido é levar “pessoas comuns” para a política. Em entrevista ao Plural, porém, ele admitiu que a filosofia liberal do partido em um primeiro momento atraiu pessoas de maior renda. Segundo ele, isso está sendo corrigido.

O segundo maior patrimônio pertence ao candidato Professor Renato Mocellin (PV). Professor de cursinhos pré-vestibulares há décadas, ele declarou o total de R$ 1,9 milhão em bens.

Em seguida, está o ex-secretário de Segurança Pública do Paraná e atual deputado estadual, Fernando Francischini (PSL) que declarou patrimônio de R$ 1,439 milhão. Não muito atrás, está o sobrinho do ex-governador Roberto Requião (MDB), João Arruda, do mesmo partido: com um patrimônio declarado de R$ 1,435 milhão ele encerra a fila dos milionários.

Rafael Greca (DEM) é apenas o quinto colocado em valor de patrimônio declarado. O prefeito, que tenta ser reeleito para um terceiro mandato, declarou R$ 864 mil à Justiça Eleitoral.

O professor Eloy Casagrande (Rede) aparece em sexto lugar com patrimônio declarado de R$ 792 mil. Logo depois, Paulo Opuszka (PT) aparece com R$ 671 mil declarados.

A filha do senador Flávio Arns (Podemos), Carol Arns, do mesmo partido, aparece com R$ 603 mil de patrimônio. Ela é seguida pela deputada federal, Christiane Yared (PL), que declarou R$ 323,6 mil. A candidata Professora Samara (PSTU) aparece com patrimônio de R$ 316 mil.

Ela é seguida por Marisa Lobo (Avante). A psicóloga informou que tem bens avaliados em. R$ 300 mil. O deputado estadual Goura (PDT) vem logo atrás e declarou R$ 130 mil de patrimônio.

Nos últimos lugares do ranking estão Leticia Lanz (PSOL) com R$ 111,5 mil e Zé Boni (PTC) com R$ 41 mil. A candidata Camila Lanes (PCdoB) não declarou nenhum patrimônio à Justiça Eleitoral. Diogo Furtado (PCO) também não havia declarado nenhum bem, mas teve sua candidatura indeferida pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE).

Fonte: Blog do Tupan