Curitiba registra 62 mm de chuva em 24h

O boletim da Coordenadoria Municipal da Defesa Civil apontou que Curitiba, por conta da chuva desta quarta-feira (11), registrou rajadas de vento de 24,5 km/h, quedas de árvores e galhos grandes, além de problemas em semáforos e destelhamentos. De acordo com o Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden), choveu o equivalente a 62 mm na capital em apenas 24 horas.

Ainda segundo o boletim da Defesa Civil, até as 17h desta quarta-feira, 21 pedidos foram feitos na capital para retirada de árvores e galhos grandes caídos, além de seis solicitações emergenciais para entrega de lona a famílias atingidas pela chuva. Os pedidos ao município chegaram dos bairros Xaxim, CIC, Ganchinho, Sítio Cercado, Uberaba e Tingui.

Na Rua Nicolau José Gravina, no bairro Cascatinha, houve bloqueio total próximo à Avenida Cândido Hartmann para retirada de uma árvore. Agentes de trânsito ainda estavam no local para orientações aos motoristas no final da tarde.

Às 15h, equipes do Meio Ambiente estavam finalizando os trabalhos para retirada de uma árvore que caiu em cima de um veículo na Rua Desembargador Motta, próximo ao cruzamento com a Alameda Princesa Izabel, no bairro Bigorrilho. Ninguém ficou ferido.

No fim da manhã houve, ainda, registro de queda de galho grande de árvore na Rua Coronel Dulcídio, que chegou a provocar bloqueio parcial da pista, no bairro Água Verde.

Por volta das 17h, continuava em alerta o semáforo do cruzamento das ruas Francisco Nunes e Chile, no Prado Velho, com presença dos agentes da Setran. No cruzamento das ruas Francisco Nunes e Chile, também houve problemas com o semáforo.

Alagamentos

Com a chuva intensa e a elevação do nível de alguns rios que cortam a cidade, as equipes da Fundação de Ação Social (FAS) fizeram o monitoramento dos territórios onde há áreas de risco de alagamentos. Três famílias que moram no bairro Parolin e tiveram as casas alagadas buscaram atendimento no Centro de Referência da Assistência Social (Cras) da região, onde pediram colchões.

Na Regional CIC, desde o início da tarde, técnicos percorreram o território para acompanhar de perto as famílias. Nenhuma delas precisou de atendimento.

O Cras Parolin, na Regional Portão, e os cinco Cras instalados na Regional CIC estenderam o horário de funcionamento em uma hora para atender famílias que possam precisar de colchões, cobertores e alimentos.

Durante todo o dia, todas as unidades de acolhimento a pessoas em situação de rua funcionaram com capacidade máxima de atendimento. Se a chuva persistir e a demanda aumentar, a FAS abrirá vagas emergenciais.

Em caso de emergência, o cidadão deve recorrer aos telefones 199 (Defesa Civil – alagamentos), 153 (Guarda Municipal – fornecimento de lona), 156 (Central de Atendimento ao Cidadão da Prefeitura – quedas de árvore) e 193 (Corpo de Bombeiros – resgate).

Fonte: Banda B