Divulgação

DOIS-TOQUES COM FASOLIN

Série C batendo a porta

Paraná Clube

E os problemas não param pelos lados de Vila Capanema. Na estréia do novo técnico Gilmar Dal Pozzo, mesmo atuando em casa o Paraná Clube sofreu nova derrota, desta vez para o Figueirense, por 2×0. O resultado amplia a série de derrotas consecutivas para sete jogos, e de quebra registra o recorde negativo na história de quase 31 anos do clube. Sem poder contar com muitos jogadores por conta da Covid-19, Dal Pozzo viu que terá trabalho se quiser manter o Paraná na Série B em 2021. O time que chegou a liderar o campeonato até a 8ª rodada e era apontado como um dos candidatos ao título, agora ocupa a 16ª colocação, apenas um ponto a frente do primeiro time da Zona de Rebaixamento, o próprio Figueirense, que agora está apenas um ponto atrás do tricolor. O cenário é ainda mais preocupante para a torcida tricolor, pois das equipes de baixo, é certamente a que apresenta o pior futebol no momento. O jogo em si foi muito fraco tecnicamente, como tem sido rotina nos últimos jogos do Paraná Clube, e o primeiro tempo amarrado foi de poucas chances para ambas as equipes (apenas três chances e todas do tricolor). No segundo tempo o jogo seguiu da mesma forma, mas os erros foram determinantes para o resultado. E estes erros foram cometidos pelo Paraná. No ataque, Andrey (em mais uma fraca atuação) teve chance de gol, mas o invés de cruzar a bola para a entrada da área preferiu chutar de forma bisonha para fora. Como quem não faz leva, em outro erro, desta vez da defesa paranista, Bruno Michel marcou para os visitantes. O Paraná tentou sem sucesso o empate e ainda levou mais um gol dos catarinenses. Final de partida, nova derrota, desespero batendo a porta e preocupação com a próxima rodada, que pode levar o time a entrar pela primeira vez no Z4, caso não vença o América-MG, fora de casa, neste sábado (11/12).

Foto: Albari Rosa/Foto Digital

Fonte: https://www.umdoisesportes.com.br/colunas-e-blogs/cristian-toledo/parana-x-figueirense-opiniao/

Copyright © 2020, Gazeta do Povo. Todos os direitos reservados.

Athletico

O Furacão não jogou neste meio de semana, e entra em campo no amanhã (12/12) na Arena contra o vice-líder Atlético-MG.

Coritiba

O Verdão também folgou no meio de semana e agora vai o Recife enfrentar o Sport neste domingo.

Palpitômetro

Semana de 11/12 a 13/12

Série A

12/12 – Bragantino X Fortaleza – BRAGANTINO

12/12 – Athletico X Atlético-MG – EMPATE

12/12 – Palmeiras X Bahia – PALMEIRAS

12/12 – Internacional X Botafogo – INTERNACIONAL

12/12 – Ceará X Atlético-GO – CEARÁ

12/12 – Goiás X Grêmio – GRÊMIO

13/12 – Flamengo X Santos – FLAMENGO

13/12 – Corinthians X São Paulo – EMPATE

13/12 – Sport X Coritiba – SPORT

13/12 – Vasco X Fluminense – FLUMINENSE

Série B – Paranaenses

11/12 – Operário X Sampaio Corrêa – OPERÁRIO

12/12 – América-MG X Paraná Clube – AMÉRICA-MG

CLUBE DA SEMANA

Clube Atlético Monte Alegre – CAMA

Escudos:

Uniforme:

Mascote:

Pantera Negra

O Clube Atlético Monte Alegre, conhecido também como C.A.M.A., foi uma equipe da cidade de Telêmaco Borba. Fundada em 01/05/1946, mandava seus jogos no Estádio Dr. Horácio Klabin (capacidade de 5.000 torcedores) e possuía como cores o branco e o preto, em homenagem ao Corinthians de São Paulo, sendo que a estréia do uniforme alvinegro ocorreu em 25/04/1948 na vitoria por 5×2 sobre o Vasco da Gama, da cidade de Ponta Grossa.

A equipe possui suas origens vinculadas a empresa do ramo de papéis Klabin. Inicialmente o time era chamado de Klabin Esporte Clube, fundado pelos funcionários da empresa. Mais tarde o nome mudou para Monte Alegre, pois a sede da empresa era na fazenda homônima.

Um fato curioso é que o estádio do Pantera Negra, Dr Horácio Klabin era conhecido com “Cemitério dos Líderes” em alusão as derrotas dos times da capital para o C.A.M.A. no local.

Em seus primeiros anos de historia o Monte Alegre se dedicava aos campeonatos amadores, mas em 1949 realizou sua primeira partida contra um time profissional, e venceu o Ferroviário da capital por 6×3. Apenas em 1951, realizou sua estréia no campeonato estadual, e na estréia saiu derrotado pelo Palestra Itália em Curitiba por 2×1. Neste campeonato teve razoável campanha com 07 vitórias, 09 derrotas e nenhum empate, marcando e sofrendo o mesmo numero de gols (31). No ano seguinte, a primeira campanha de destaque com o 4º lugar no campeonato e a artilharia do certame com o jogador Taíco (autor de 20 gols).

Em 1953 ficou na sexta posição, e no seguinte, apesar de não terminar bem o campeonato (ficando entre os últimos), fez novamente o artilheiro do campeonato (novamente Taíco, com 22 gols).

Em 1955 a maior conquista da história do clube. O C.A.M.A. sagrou-se o primeiro Campeão Paranaense vindo do interior, ao bater na decisão o Ferroviário depois de três partidas. A classificação à decisão ocorreu depois de vencer os dois primeiros turnos do campeonato, enquanto o time da capital conquistou o terceiro turno.

Na primeira partida da final os comandados do técnico “Motorzinho (Ruy Castro dos Santos)” empataram no Estádio Durival de Brito, pelo placar de 2 a 2. No segundo jogo no Cemitério dos Líderes, vitória do Monte Alegre pelo placar de 3×1. Na partida final, novamente em Curitiba, mas desta vez no Estádio Joaquim Américo, novo triunfo do C.A.M.A, desta vez por 1×0, com gol marcado por Nelson.

Na campanha do título memorável, o alvinegro teve 18 vitórias, 04 empates e 06 derrotas, com um ataque arrasador que marcou 79 gols, e sua defesa sofrendo 41 gols.

Em 1957, a equipe passando por dificuldades financeiras, solicitou o licenciamento do campeonato estadual, tentando retornar em 1965 e 1967, mas sem sucesso, pois a Federação Paranaense de Futebol, não concedeu a permissão.

O C.A.M.A. ainda jogou campeonatos amadores, inclusive conquistando dois títulos da Taça Paraná (maior competição do futebol amador do estado) na década de 1960

Fonte da Foto: Federação Paranaense de Futebol

Fontes de consulta:

Wikipédia – pt.wikipedia.org

Revista Placar

Federação Paranaense de Futebol – www.federacaopr.com.br

Globoesporte.com (https://globoesporte.globo.com)

Um Dois Esportes: https://www.umdoisesportes.com.br

Gazeta do Povo – https://www.gazetadopovo.com.br/

Banda B (https://www.bandab.com.br)

Historiador do Futebol – https://www.historiadordofutebol.com.br

Arquivo Pessoal do autor.

Éverson Fasolin é advogado, pós-graduado em Direito e Processo do Trabalho e acadêmico do curso de Jornalismo. Também é colecionador de artigos, revistas e escudos de futebol