Professores preparam nova mobilização

Depois da ocupação do prédio da Secretaria da Educação e Esportes (Seed), ocorrida na última sexta-feira (30), e de reunião com o Ministério Público Estadual e petição protocolada no Tribunal de Contas do Estado, professores estaduais e dirigentes da APP-Sindicato estão definindo horários, protocolos de segurança e demais preparativos para uma mobilização a ser feita na próxima semana. Os professores protestam contra o edital do governo que alterou os critérios de contratação de docentes pelo Processo Seletivo Simplificado (PSS). Eles protestam também contra  o modelo de implantação de 216 colégios cívico-militares no Paraná, além da terceirização de servidores de escolas da rede estadual de ensino.

A principal mobilização vai ocorrer na quarta-feira (4), às 17 horas,na frente do Palácio Iguaçu, no Centro Cívico, em Curitiba. Os professores querem uma reunião com o governo para tratar dos três temas. A categoria também quer uma reunião com o secretário da Educação, Renato Feder, e com a Casa Civil. Na sexta-feira, durante a ocupação, uma comissão de professores foi recebida pelo diretor-geral da Seed, Gláucio Dias, para pedir a suspensão do edital do PSS.

Denúncias –  Na última quarta-feira (28) , a APP-Sindicato e professores (PSS participaram de uma reunião no Ministério Público do Paraná (MPPR) quando denunciaram o contrato firmado entre a Seed e Centro Brasileiro de Pesquisa em Avaliação e Seleção de Promoção de Eventos  (Cebraspe). Segundo os denunciantes, o contrato, no valor de R$ 3. 499.800, 00, foi feito sem licitação. Ainda na reunião, foi protocolado um ofício solicitando que o MPPR seja mediador entre a categoria e a Seed sobre a questão.

No mesmo dia, o sindicato protocolou petição no Tribunal de Contas do Estado do Paraná (TCE-PR) solicitando a suspensão do contrato. No pedido, a APP  informa que a contratação foi feita durante a pandemia, o que fere os princípios do Direito Administrativo.

Fonte: Contraponto